Crise Levou 9 Grandes Varejistas à Recuperação Judicial

Recuperação Judicial | Empresa

Crise Levou 9 Grandes Varejistas à Recuperação Judicial para tentar pagar suas dívidas devido a deterioração do cenário econômico que forçou várias redes de comércio a negociarem seus débitos.

As vendas no varejo restrito, que não inclui veículos e materiais de construção, caíram 4,9% em 2015, o pior resultado já registrado pelo IBGE na série histórica iniciada em 2001. No ano passado, foram quase 100 mil lojas fechadas, segundo a Confederação Nacional do Comércio (CNC), o que indica como a crise econômica afetou o setor. A recessão está reduzindo a renda disponível e a vontade do brasileiro para consumir e, com isso, muitas redes tiveram de fazer cortes.

VÍDEO EXPLICATIVO | RECUPERAÇÃO JUDICIAL

Em alguns casos, a situação financeira se agravou a ponto de as empresas pedirem:

– recuperação judicial;

– ou entrassem em renegociação com fornecedores.

Veja abaixo nove varejistas que estão nessa situação:

Camisaria Colombo

A rede de lojas de roupas masculinas está negociando um processo de recuperação extrajudicial que envolve uma dívida calculada em R$ 1,5 bilhão.

Grupo GEP

O grupo varejista GEP controla no Brasil as lojas da:

1) GAP;

2) Luigi Bertolli;

3) e Cori – entre outras, totalizando 97 lojas. As dívidas passam de R$ 500 milhões e o pedido de recuperação judicial foi aceito pela Justiça.

Barred’s

Empresa do setor de roupas com mais de 100 lojas no país, a Barred’s entrou com pedido de recuperação judicial no início de março. Ela tem mais de R$ 100 milhões em dívidas.

Liberatti

A varejista com sede em Ibaiti, no Paraná, fechou 80 lojas no estado e em Rondônia e São Paulo. O plano de recuperação judicial foi aprovado pela Justiça.

Darom Móveis

Pertencente ao Grupo Simbal, de Arapongas, a Darom Móveis faz parte de um processo de recuperação judicial pedido no início do segundo semestre do ano passado por causa de dívidas de R$ 193 milhões. O processo foi suspenso em outubro.

Grupo Volpato

A varejista gaúcha fez seu pedido de recuperação no início de março. A rede tem dívidas de R$ 80 milhões e já fechou 20 lojas.

Eletrosom

A rede mineira tem mais de 180 lojas no país e pediu recuperação judicial em outubro do ano passado. As dívidas ultrapassam os R$ 200 milhões.

Leader

Com 65 anos de mercado, a Leader acumula uma dívida de quase R$ 1 bilhão. Teve um pedido de falência levado à Justiça em janeiro. Rede ainda negocia seu destino.

BMart

A rede de lojas de brinquedos tem 28 unidades em:

– São Paulo;

– Minas Gerais;

– e Bahia.

O pedido de recuperação judicial foi feito em março por causa de dívidas R$ 118 milhões.

Fonte: Guido Orgis, para a Gazeta do Povo

Home


tags

recuperação judicial empresa

recuperação judicial crise

recuperação judicial advocacia

recuperação judicial falência

recuperação judicial lei

recuperação judicial requisitos

recuperação judicial processo

ação de recuperação judicial

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10406.htm

WhatsApp chat
%d bloggers like this: